sexta-feira, dezembro 09, 2005

Pequeno improviso sobre o estilo; (ou, Eu, armada em blogger com aptidões socio-antropológicas)

Na sequência de um tópico de um fórum por que passei recentemente, eis a minha resposta à questão colocada, que é a respeitante à importância que se deve ou não dar ao «estilo»:
O estilo é uma construção estética que pressupõe sempre uma bilateralidade. Quem compõe um estilo fá-lo sempre em serviço da dimensão exterior, pública da existência.
Age-se desta ou daquela forma, dá-se preferência a um determinado tom de voz e a certas expressões faciais e corporais tendo em mente uma imagem de 'nós-vistos-de-fora' que queremos ter.
Dessa forma, não acho de todo que a preocupação com o estilo seja uma frivolidade linear e que se esgote na categoria da 'máscara social', antes é uma questão muito mais complexa: diz muito de uma pessoa a imagem que ela escolhe para si.
Por outro lado, como tudo o que implica bilateralidade, a preocupação com o estilo pode tornar-se numa dependência do estilo. E uma prisão permanente ao 'vermo-nos contantemente de fora' resulta sempre num isolamento, diria até de um 'emparedamento', da interioridade, que já não acha lugar de expressão numa aparência que se tornou demasiado artifical e artificiosa.
Como sempre, o segredo está no equilíbio.

2 comentários:

Daniel Figueiredo disse...

Minha querida, é bom saber-te por cá, junto de nós.

O tópico não me surpreende.

Talvez a novidade seja a frase com que acabaste o texto:

"Como sempre, o segredo está no equilibrio."

Uma banalidade, dirão alguns.

No entanto, vindo de ti, é um prenúncio muito positivo...bem o sei!

*

(Já estás mais que preparada: "É a hora!")

Shenandoah disse...

lololol Daniel, de repente tive a sensação que estava no Rei Leão e que eu era o Simba. (mas para que não se pense que sou uma grunha qualquer, eu SEI que o 'é a hora' é da Mensagem, do Pessoa)